Sondagem mostra, ainda, alta na utilização da capacidade instalada

Os dados mostram que os estoques voltaram a cair

O principal problema das indústrias no segundo trimestre de 2021 foi a falta e o alto custo das matérias-primas. De acordo com a pesquisa Sondagem Industrial, da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Os efeitos da pandemia têm impactado a oferta de insumos para o setor, problema mencionado por 63,8% das indústrias. Em seguida, a elevada carga tributária (34,9%) e a taxa de câmbio (23,2%) estão entre os principais entraves enfrentados pela indústria brasileira.

A sondagem industrial também mostra aumento nos preços das matérias-primas, mesmo que em um ritmo mais lento. O índice caiu no trimestre, mas permanece acima da linha de 50 pontos e está entre os maiores da série com 74,1 pontos. O gerente de análise econômica, Marcelo Azevedo, explica que a combinação de estoques limitados e atividade aquecida são fatores para que a falta e alto custo de matérias-primas permaneçam como o principal problema enfrentado pela indústria no trimestre. “Os dados mostram que os estoques voltaram a cair, e novamente estão se afastando do nível planejado pelas empresas”, ressalta.

Em junho, o indicador de estoque efetivo em relação ao planejado pelas empresas registrou 48,7 pontos, ficando abaixo da linha de 50 pontos que indica que os estoques estão alinhados ao planejado pelas empresas. A distância para o planejado foi maior em junho se comparado aos meses de abril e maio, quando os índices foram de 49,6 e 49,2 pontos, respectivamente. A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) alcançou 71% em junho, crescimento de um ponto percentual em relação a maio. Esse percentual é o mais alto para o mês de junho desde 2013.