O resultado de abril é explicado pelo agravamento da Covid-19

Baixo desempenho do setor de derivados do petróleo afeta resultados das indústrias locais

A produção industrial recuou em 9 dos 15 locais analisados pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM Regional), na passagem de março para abril, com destaque para Bahia, com queda de 12,4%, e para a região Nordeste, que recuou 7,8%. Os resultados, divulgados nesta quarta-feira (9) pelo IBGE, mostram que o baixo desempenho do setor de derivados do petróleo afetou as indústrias locais. A produção nacional caiu 1,3% em abril frente a março, como divulgado pelo IBGE na semana passada.

Ao todo, cinco locais estão acima do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020: Minas Gerais (10,2% acima); Santa Catarina (7,2%), Paraná (6,4%), Amazonas (4,4%) e São Paulo (3,4%). “O resultado de abril é explicado pelo agravamento da pandemia de Covid-19, com medidas restritivas mais duras que resultaram em diminuição ou escalonamentos na jornada de trabalho, o que atinge a produtividade”, analisa Bernardo Almeida, gerente da pesquisa.

Estado com maior parque industrial do país, São Paulo também apresentou queda acima da média nacional, com recuo de 3,3%. “Muito por conta do baixo desempenho também do setor de derivados do petróleo, além dos setores farmacêutico e de outros produtos químicos”, elenca Bernardo. Goiás (-3,6%), Pernambuco (-2,4%), Santa Catarina (-2%), Ceará (-1,2%), Mato Grosso (-1,1%) e Minas Gerais (-0,9%) completaram o conjunto de locais com taxas negativas em abril.

Nas altas, destaque para Amazonas (1,9%), que marcou a segunda taxa positiva consecutiva acumulando ganho de 11%. No estado, o setor de derivados de petróleo apresentou bom desempenho. O Rio de Janeiro também teve alta (1,5%) e foi a principal influência positiva do resultado nacional, impulsionado pelo setor extrativo, mais especificamente, a extração de petróleo. Espírito Santo (0,9%), Pará (0,3%), Rio Grande do Sul (0,3%) e Paraná (0,2%) foram os demais resultados positivos de abril de 2021.