Quem tem o hábito de ler conhece bem esse fenômeno. Tem vezes que é possível ler vários livros um após o outro, mas também há momentos em que não dá para sair da décima página. Rafael Libman, grande amante da literatura, conta que, felizmente, a ressaca literária tem cura, e a boa notícia é que não precisa de remédios.

 

O termo ficou conhecido no mundo literário e já faz parte do vocabulário de quem é leitor. Normalmente a ressaca aparece depois de uma grande história ou de uma maratona, mas não se preocupa porque os sintomas são passageiros. Entre eles estão a falta de interesse, dificuldade de concentração ou preguiça de fazer qualquer coisa, menos ler. Então, mesmo que os sintomas sejam diferentes para cada pessoa, separamos alguns métodos de “cura”. 

 

1- Se precisar, dê um tempo. Rafael Libman diz que às vezes ficamos empacados em uma leitura e tentar ter pressa não vai adiantar de nada. Logo, se não estiver rendendo, deixe para outra hora, porque, naquele momento, o melhor pode ser exatamente não ler. E não se desespere, a ansiedade pode ser nosso maior inimigo. Só respire, vá fazer outra coisa e seja paciente consigo.

 

2- Busque por títulos que você já goste ou semelhantes ao anterior. Isso fará com que o seu cérebro não seja “forçado”, sendo algo mais natural e agradável. 

 

3- Se já cumpriu as dicas acima e mesmo assim continua sem vontade de ler, tente estipular pequenas metas de leitura. Mesmo que ler seja um hobby ou um lazer, às vezes, uma rotina pode ajudar a engrenar novamente em novos títulos, ainda que seja somente um capítulo por dia. Rafael Libman diz que quanto mais aos poucos for, melhor será a chance de sucesso. 

 

4- Por último, tente sair da zona de conforto. Quem sabe você só está cansado de ler a mesma coisa sempre e precisa de novas aventuras, então busque por novos títulos, capas e sinopses que te interessam.