O Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes é um médico especialista em urologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com mais de 20 anos de experiência na área, fala sobre a importância e como ocorre o exame Antígeno Prostático Específico, popularmente conhecido por sua sigla em inglês, Prostate-Specific Antigens, PSA.

 

O exame PSA é muito importante para verificar a existência ou não de um possível câncer de próstata, e, dada a proeminência do diagnóstico precoce para o sucesso do tratamento e, consequente, cura, realizar o exame de forma periódica (após uma certa idade, é claro) é de suma importância para a longevidade e saúde do paciente.

 

O médico especialista, Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes, é mestre e doutor no setor de urologia pela Universidade Federal de São Paulo, também é co-autor do livro Urologia Minimamente Invasiva e atende seus pacientes em seu consultório no Rio de Janeiro, possuindo enfoque na realização de um procedimento cirúrgico minimamente invasivo, a cirurgia robótica, para pacientes que apresentam o câncer de próstata. Dessa forma, imbuído de anos de conhecimento e experiência, fala à nossa redação sobre o procedimento para o PSA.

 

O PSA é uma substância produzida pelo próprio organismo, mais precisamente nas glândulas prostáticas, e que possui a função de liquefazer o esperma. Dessa forma, através da quantidade de PSA disposta, é possível averiguar possíveis alterações e distúrbios na glândula, enfatiza o Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes.

 

Todavia, o exame é indicado para homens com mais de 40 anos tendo em vista que as doenças que acometem a próstata ocorrem, geralmente, aos homens com mais idade. Além disso, para a realização do procedimento, é necessário evitar a prática de atividades intensivas, como esportes, nas antecessoras 72 horas do exame.

 

Além disso, para a averiguação do câncer de próstata, muitas vezes é recomendado o exame de toque retal, este não necessita de nenhum preparo específico, comenta o Dr. Marco Antonio Quesada Ribeiro Fortes. Continuamente, a partir dos resultados do exame, o médico encaminhará e fornecerá o melhor acompanhamento e direcionamento ao paciente.

 

Como dito anteriormente, a partir da quantidade de PSA disposta é possível verificar a presença de alterações e distúrbios na próstata, essa metrificação é feita através de uma simples coleta de sangue no paciente para, assim, medir a proporção da proteína. Dessa forma, é possível identificar não só a probabilidade de câncer de próstata, mas também a presença de uma possível inflamação na próstata ou a hiperplasia prostática benigna.